Alice não acredita em ciúmes, mas que ele existe, existe. A questão é que se você confia no moço, dizia ela para suas amigas, então não tem motivo para se importar com ciúmes. E se você não confia, se acha que só vai ficar em paz quando invadir a privacidade dele, então você só vai ficar em paz quando estiver solteira novamente e esse relacionamento é um desperdício de tempo. É isso.

Alice prefere ser traída a ser ciumenta. Não que traição não machuque, claro. Machuca e muito. E ela não sabe se perdoaria ou não. Ninguém sabe até ter que tomar a decisão. É quase como um assalto – você pode passar a vida jurando que jamais reagiria, mas na hora H sai correndo. Tem de tomar cuidado com essas coisas.

Mas quando um dia descobrir uma traição (Alice se diz realista nessas questões), o mais importante é ela saber que não fez nada de errado. A culpa será dele, ele que não cumpriu o acordo de monogamia e confiança do casal.

Se ela for ciumenta, ela que não vai ter cumprido o combinado de privacidade do casal ou, bem, de todo ser humano. A verdade é que traição entre duas pessoas que se amam é algo tão grande que não pode ser ignorado, e aí vem à tona com o tempo. A terra vai ficando mais e mais fina até que não é preciso cavar nada. Tá lá, na sua cara.

A Alice tem uma amiga muito ciumenta, a Carol. Carol namora há muito tempo, mas vive desconfiada do namorado. Talvez porque ela já tenha traído alguém, ou talvez porque eles começaram a sair quando ele ainda namorava outra mulher. Ela gosta de mexer nos históricos de e-mail dele, cheirar as camisas em busca de outros perfumes, passar horas no Facebook dele. Uma a uma, as ex-namoradas dele foram sendo deletadas dos círculos de amizade.

Engraçado: com uma delas ele ainda fala todos os dias por mensagem de celular (cuidadosamente deletadas). Reclama do ciúmes da atual, rememora outros tempos. Com outra, considera seriamente a possibilidade de marcar um encontro via direct message do Twitter, mas aí muda de ideia.

Tá tudo errado nesse relacionamento, Carol.

Anúncios
Posted by:Amanda Previdelli

Jornalista, revisora e tradutora paulistana morando em Viena, na Áustria. Brazilian journalist, proofreader and translator living in Vienna, Austria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s