Ela entrou desesperada pelo terminal 2.

– Joel!

Chorava muito e, desengonçada, carregava duas caixas de isopor. Vestia uma blusa branca, que era larga, mas não disfarçava sua gorda barriga, uma bermuda verde limão velha e apertada e chinelos azuis. A única coisa que parecia estar em ordem naquela mulher era seu rabo de cavalo: alto, firme, contendo os cachos artificialmente acobreados.

O restante eram lágrimas e gritos:

– Joel!

Ninguém tirava mais nenhuma palavra da boca daquela mulher. E então muitos automaticamente passaram a procurar a tal criança. Os gritos se multiplicaram:

– Joel!

– Joel!

– Joel!

– Joel!

Foi quando ela finalmente avistou Joel. Eu nem havia percebido, mas ele estava bem atrás de mim, na fila para a área de embarque, o tempo todo.

Joel era magro, mirradinho, até. E apesar de não ter barba na cara, nada tinha de menino – talvez o canto da boca no sorriso discreto que abriu ao ouvir a voz da moça, mas só.

– Joel!

– Ana!

Por essa o aeroporto não esperava. Joel e Ana nem ligaram para olhares e comentários daqueles que só conhecem amor numa tela de tevê. Deram-se as mãos e saíram juntos e triunfantes do aeroporto. Não sei para onde Joel deixou de ir, mas entendo por que ele ficou.

Posted by:Amanda Previdelli

Jornalista, paulistana e geminiana. Já estudou desde Política Internacional a Yoga e Astrologia. Compra brigas nas redes sociais e mesas de bar, mas gosta também de viajar e conversar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s